segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Saudades

Saudade calada,
Malvada,
Toca no meu peito,
sem respeito,
nem sei se aguento,

Saudade amarga,
arranha garganta,
se disfarça na musica de quem canta,
não cura com a lembrança,

Saudade rara,
é perfeita,
faz sorrir ma lembrança,
do amor que é feliz,

A melhor escola

Raro momento,
sucumbi a desventura,
não me lamento,
aprendi por tortura,
a me levantar,
e não acreditar,
que o amor fará tudo mudar,
pois as pessoas são o que são,
e sempre serão,

De verdade,

meia verdade,
não é verdade,

A verdade é completa,
frases pela metade,
não são sinceridade,

Não confio,
onde não há sinceridade,

sábado, 19 de dezembro de 2009

Amizade superficial,

Amigos de verdade são poucos,
a maioria loucos,
únicos que são eles mesmos,
sem pensar na opinião dos outros,
só confio menos, naqueles porcos,
que procuram rótulos, inúteis,
tão fúteis,
tem opinião de contexto,
caminham na mão da cobiça,
valem menos que suas mães meretrizes,

Livre

Estou aqui pronto para te dizer,
que nada mais é possível acontecer,
eu não vou te esquecer,
Agora estou livre,
é só você e eu,
Estou livre pra você,

Vou te conquistar,

Euuu... não sei... por quanto tempo te esperei,
nos meus sonhos você sempre apareceu,
meu bem, você é meu querer,
Minha gata! Minha musa!
A deusa do meu mundinho,

Eu vou te conquistar,
Te fazer minha mulher,
Esquentar meu sangue latino,

Ti quero,
em qualquer lugar a qualquer momento,
Ti quero,
em qualquer lugar a qualquer momento,

Na solução dos meus sonhos, nas nuvens eu vou te amar,
meu bem, você é meu querer,
Minha gata! Minha musa!
A deusa do meu mundinho,

Para mãe

Sem drama,
Por nove meses me aturou,
Ela me ama,
Nem mesmo se zangou,
Quando a fiz sofrer de dor,

Para o natal

Mais uma vez brota a luz do natal
Sem lorota, Papai Noel existe,
Ele só caduca, mas é normal,
Esquece o presente dos pobres,

Para Menina

Menina que me anima,
Sussurra no meu ouvida que me ama,
Nem sempre diz,
Mas sempre me quer na cama,
Como uma flor de lis,
Abre um sorriso,
E me faz feliz

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 15, FINAL, A morte do meu amor

Se está começando a ler comece pela parte 1 link: http://nossosversos.blogspot.com/2009/11/autopsia-de-um-amor-parte-1-o-motivo.html

Por todo esse tempo que tinha se passado, eu não imaginava que um amor tão perfeito, que nossos planos e sonhos, poderiam se acabar, sempre acreditei que era tão perfeito, sempre quis que tudo acontecesse, por minuto algum a trai.
O difícil é entender que tem coisas que estão fora do meu alcance, que alguns planos já foram traçados por Deus.
É incrível como uma pessoa em um tempo tão curto é capaz de mexer tanto com uma pessoa, Afrodite me mostrou um mundo de amor que eu nunca tinha visto, um sabor que jamais tinha experimentado, carinho que eu necessitava muito e não sabia, um brilho que me fez acreditar em anjos, em fim uma pessoa que mudou minha vida para muito melhor,
Eu não queria chegar a esta parte, pois é a mais triste, a mais difícil, ainda dói no meu peito quando lembro do rosto dela. Por lástima do destino, em uma noite chuvosa, em uma estrada molhada, na volta para casa, meu amor se foi em um acidente de carro, Afrodite foi tirada de mim, enviada para o colo de Deus.
Hoje não acredito mais no amor, se ele realmente existisse não estaria aqui procurando motivos para viver. Se é para amar e sofrer tanto depois como eu sofro hoje.
No final o amor é uma droga, que te vicia, e cada dia você quer mais, e quando tudo acaba você está acabado.
De hoje em diante eu vivo o resto do fim dos meus dias.
FIM

Autópsia de um amor, parte 14, Os planos perfeitos

Nossas conversas era cheias de planos, o principal deles era nos encontrar, claro que encontrar envolvia faculdade, família e financeiro, mas em nossos sonhos tudo era possível.
Em sensação melancólica, eu falo hoje, que deixei para trás todos meus planos perfeitos, descobri da pior forma, que os planos perfeitos não existem, o que tenho é a sensação de falta de uma justiça divina. Mas quem entende quais são os planos de Deus, apenas que eles são perfeitos.
Brincávamos de como seria o dia de nos conhecer pessoalmente, se eu iria apenas sorrir, se ela iria ficar encabulada, se nossa timidez iria permitir que fossemos nós mesmos, como seria o primeiro beijo, o calor de cada pele.
Falávamos em forjar algo grava, como um acidente para obrigar o outro a visitar.
Sonhar é bom, mas sonhos sem ação, não muda nada.

Autópsia de um amor, parte 13, Amor platônico

Amor verdadeiro, amor sem interesse, amor perfeito. Platão, um filoso grego, foi quem definiu o amor platônico, que seria o amor mais puro que pode existir, o amor de querer o bem da amada mais que o próprio.
Esse amor era o que eu senti por Afrodite, fazia de tudo para estar sempre disponível para ela, sempre a tratava com carinho.
Mesmo quando não tinha tempo para nada, eu criava tempo para ela, pensando na sua felicidade.

Autópsia de um amor, parte 12, Quem ama trai?

Não existe plano perfeito, nem mesmo mentira perfeita,
Uma das coisas que mais me magoa é quando alguém que eu confio muito mente para mim. A mentira é como uma traição, não importa seu tamanho ou motivo, mentira é mentira, é o desejo de não mostrar a verdadeira face.
Quando nos entrelaçamos com sentimentos tão fortes como o amor, acreditamos que tudo é verdadeiro. Porém qualquer fio de mentira é capaz estremecesse ou até desmoronar o amor.
E como um punhal em minhas costas, veio a mentira, atravessou meu peito, desmoronou de uma vez por todas todos meus sentimentos.
A mentira não era das mais tenebrosas e repulsivas, mas era uma mentira.
Dúvidas me rodeavam:
Quantas vezes mais poderia mentir para mim?
Por que mentir em motivos tão bobos?
A verdade é que nosso amor era perfeito, e o perdão é divino, e ficaria mais magoado se acabasse tudo.
Então a perdoei, sem rancor, sem magoa, sem pensar em vingança.
Minha sinceridade é e sempre foi meu ponto mais forte, as vezes falo a verdade quando não deveria, no fundo eu queria que todos fossem igual a mim, nunca mentissem, não tivessem medo de falar a verdade. 

sábado, 5 de dezembro de 2009

Felicidade

Onde se encontra a felicidade?

Meditei por horas na beira da praia,
com as ondas tocando meus pés descalços,
e a brisa acariciando minha pele.
E não encontrei a resposta.

Caminhei sem rumo pela multidão,
perguntei a todos que eu via,
ninguém me respondeu.

A noite me deitei na cama,
relaxado com os olhos fechados,
esperei por uma resposta divina,
e apenas adormeci.

Ao acordar eu finalmente entendi,
A felicidade não se encontra,
a felicidade não está visível aos nossos olhos,
a felicidade não é palpável,

A felicidade está dentro de cada um de nós,
dentro de cada coisa que temos de bom,
envolvida em cada coisa que fazemos de bem,
em admitir que temos nossas fraquezas,
em descobrir como utilizar nossas virtudes,
para ajudarmos uns aos outros em suas fraquezas,
e em fim deixarmos a individualidade de lado,
e agir na forma de uma grande equipe¹,
a favor de uma equipe melhor.


¹ Entenda “equipe” como preferir, família, amigos, paixão, sociedade,
mundo...

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 11, Amor que poderia acabar com as dores do mundo

Meu amor é lindo, meu amor é puro, meu amor é bom, meu amor quer o bem, não importando o que receba de volta.
Pode parecer exagero, mas é o que eu penso, no auge do nosso amor, eu sentia que não havia nada melhor para mudar qualquer pessoa, do que um amor tão grande quanto o nosso.
Eu falava que se todos tivessem um amor como o nosso, as pessoas não pensariam em brigas, guerras e outras coisas ruins. Alguns vão dizer que é mais algum daqueles meus ideias que nunca vão se concretizar, mas alguém já imaginou poder vender pilulas de amor, apenas paz e amor no mundo, quem dera se todos pudessem trocar o ódio e rancor dos seus corações por amor.
Sim é muito mais fácil extravasar nossas dores e diferenças com a raiva, porém o caminho mais fácil normalmente não é o mais feliz.
Quando estavamos juntos o tempo parava e todas as dores do mundo não faziam sentido, era todo amor e perfeição. Queria poder ser inteligente o suficiente para poder fazer um passo-a-passo de como me sentir tão feliz, mas para isso teria que estar disposto a me arriscar novamente em um mundo que apenas as emoções mandam em você.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 10, Eu confio em você

Confiar ou não confiar? Eis a questão.
Uma pessoa que está sempre desconfiada acaba virando neurótica, temos que escolher entre confiar ou não em uma pessoa, quando se trata de amor está é uma questão de uma amplitude muito importante. Se você não confia na pessoa amada, está ai um grande problema.
Para mim que nunca tinha encarado um amor tão forte e complexo, a confiança não tinha um papel importante. Essa questão deveria ser respondida com meus instintos, ao passar do tempo nossas confidencias necessitavam que houvesse de um nível alto de confiança, e como se já estivesse rascunhando em minha alma, meus instintos me mandavam confiar em Afrodite.
Talvez essa confiança em excesso pudesse me fazer fechar os olhos, e encarar tudo como perfeito.

domingo, 29 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 9, Não existe amor, apenas provas de amor

Eu fico pensando, normalmente você sabe que ama uma pessoa. Porém mesmo que uma pessoa te diga que te ama, como ter certeza?
Palavras, frases, juras de amor, não são o amor, apenas tentam te fazer acreditar nele. Então como colocar a prova um amor?
A melhor forma de provar um amor é o tempo, pois o tempo coloca a prova tudo, o tempo separa a paixão do amor. Ao passar dos dias se descobre, que nem sempre estamos dispostos a sorrir, e são nesses dias de infelicidade que o verdadeiro amor é o único que fica ao seu lado.
E claro eu também haveria de ter meus dias de mau humor, e minha bipolaridade¹ se destacava as vezes com um tom bem azedo, e nesses dias que não foram muitos, Afrodite me fascinava com sua doçura, me fazia sorrir e me “aturava” quando eu mesmo achava algo impossível.
Eu queria muito retribuir a paciência e carinho, mas sempre que Afrodite tinha algum problema familiar, ou simplesmente estava para baixo, preferia se fechar e não tocar no assunto, até hoje não tenho certeza dos motivos que a levava não me deixar ajudar ou ao menos ouvi-la, talvez fosse ruim para ela não falar de coisas felizes, ou não queria me chatear com seus problemas. Deve ser o que a maioria dos homens quer, não saber dos problemas de sua namorada, mas no meu idealismo é necessário ter cumplicidade de todos sentimentos, não há prova melhor de amor que poder viver com as diferenças entre cada um, com a felicidade e a tristeza, superando o que for necessário superar.²

¹Tecnicamente eu não sou bipolar, mas quem muda de humor com facilidade é o que?
² Essa parte até me lembra algo como, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença.

Autópsia de um amor, parte 8, Namoro virtual

Sinceramente lembro muito mais do dia que conheci Afrodite, do que do dia em que selamos nosso compromisso.
Teve um dia em especial que decidi que não poderia correr o risco de perder Afrodite. Foi então que a pedi em namoro, e para minha alegria ela aceitou.
Um namoro virtual pode parecer complicado, mas quando há amor, tudo fica mais simples.
Minha vontade era de conquistar Afrodite todos os dias, tanto que a pedia em namoro várias vezes na  mesma semana, acho que fazia isso para confirmar que ela realmente era minha.
A cada novo pedido, uma nova conquista, uma nova poesia que descrevia todo meu amor por ela.

sábado, 28 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 7, Planos e sonhos

Por mais que nossas conversas me fizessem feliz, o que mais queria era poder tocar o corpo de Afrodite, entre nossas conversas entravamos em fantasias, sonhavamos  com o dia que iriamos nos encontrar, com o sabor de cada beijo e sensação do toque em cada pele.
Ao passar de um mês já sabíamos muito dos sonhos e desejes mais íntimos de cada um, nossa intimidade era compartilhada sem nenhum pudor.
Teve uma vez que sonhei com Afrodite, foi um dos sonhos mais puros que já tive, onde eu ia levitando até ela, e no encontro eu a beijava, tão bom que eu não queria mais voltar para a realidade.
Nossos sonhos faziam as nossas conversas mais emocionantes, a cada sonho um novo desejo, a cada desejo mais necessidade de encontrar Afrodite.
Por hora nosso amor estava condicionado aos nossos sonhos, para pior saber que caso o sonho desmoronasse com ele também iria toda nossa esperança.

Autópsia de um amor, parte 6, Como se fosse por uma vida inteira,

Apesar de eu desejar mais de Afrodite, me contentava com os risos e felicidade que ela me provocava.
Mesmo sem ela falar que me amava eu sentia que a cada momento ela se prendia mais a mim.
Já parecia que nós conhecíamos por uma vida inteira, lembravamos  um do outro durante o dia seguinte, como se estive no subconsciente a necessidade de lembrar um do outro.
Segue parte de nossas conversas:
Afrodite: hj aqui, minha irmã fez uma brincadeira, e eu falei sem querer, ta igual ao Hades
Hades: hahahah... e o que ela falou?
Afrodite: ai ela perguntou, quem é Hades?
Afrodite: eu disse ninguém
Por um lado eu fiquei super feliz por ter a certeza que ela pensava em mim mesmo sem querer, por outro lado senti que ser ninguém não é muito legal, Afrodite tinha vergonha do nosso relacionamento ou que não queria deixar que outras pessoas soubessem de mim.
Falando com ela minhas frases se transformavam em poesias, sem duvida ela era minha musa, entre as várias poesias que eu declarava meu amor a Afrodite, finalmente ela admite que me ama, talvez eu já soubesse disso, porém nada é melhor do que a pessoa amada te dizer que te ama, sensação tão boa que era capaz de me fazer estar no céu, era tão bom que embriagava meus pensamentos e a única luz que enxergava era a dos olhos de Afrodite.
Quanto mais os dias se passavam eu me acostumava mais com a necessidade de te-lá em minha vida, mesmo com ela retribuindo meu amor com carinha, felicidade e amor, eu sentia que ela via nosso relacionamento como algo errado, algo que deveria ficar apenas entre nós, que sua família não podia se que sonhar com minha existência.
Eu nunca estou contente com o que eu tenho, sempre quero mais, e é essa vontade de querer mais que rege minha vida, e eu queria ter Afrodite por completo, talvez tenha sido essa cede abalou nosso destino.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 5, O amor não precisa de sentido,

Os dias passavam, e conversamos cada vez mais. E pouco importa sobre o que falávamos, o mais importante era a sensação de felicidade que ambos sentíamos em estar juntos, nem tem como eu dizer o motivo que me fez amar ela.
Mas como dizer pra alguém se conhece pela internet que a ama? Eu apenas consegui dizer que gostava muito dela, e Afrodite só me respondia o mesmo.
Porém chega um momento que gostar não é suficiente para descrever o se senti. Não fazia muito tempo que eu conhecia ela, mas sentia que deveria dizer o que eu sentia de verdade, não poderia deixar passar essa chance, ver o amor da minha vida, estar com comigo, me tratar com carinho, me fazer o mais feliz possível, eu não deveria ter medo de expressar meu verdadeiro sentimento, ela valia muito mais do que meu medo de errar, ela era minha musa, já inspirava todos meus poemas, me dava motivo para querer ser melhor, mudar meus hábitos. Foi com a certeza do que eu sentia, no fim de uma madrugada em uma despedida, finalmente eu disse a ela que eu a amava.
Como em um mergulho no inferno, me senti o ultimo dos homens, de resposta dela veio um simples “você é um amor”, fui dormir com um nó na garganta, afinal eu esperava de volta um “eu te amo”, tentei ser otimista, afinal nos conhecíamos a pouco tempo, te amo é muito forte para se falar a uma pessoa, ela poderia ter levado na brincadeira.
Porém eu pergunto:
Qual o problema de se falar o que se sente?
Eu tenho que ter um motivo especifico para amar?
Não podemos ser sinceros sem medo de errar?
Eu devo temer o amor, pois não posso controla-lo?
Foi pensando nisso que eu dormi amargurado aquela noite, e a primeira vez que eu cai do céu direto para o inferno.
Talvez eu tivesse sentido que Hades não foi feito para viver no céu.
Continua.

Não importa

Eu não me importo se ninguém mais gostar do que eu escrevo,

Não me importo se ninguém mais se lembrar de mim,

Não faz diferença se as rosas só florescem na primavera,

Ou se as folhas sempre caem no outono,

Nada disso importa, se eu ainda viver no seu coração.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Autopsia de um amor, parte 4, Eu vou te conquistar,

Então na noite seguinte antes do anoitecer eu já estava no msn, aflito, a espera de Afrodite, muitas outras pessoas queriam conversar comigo, mas nenhuma fazia a mim ter parte da felicidade que eu sentia por estar com Afrodite.
Já no inicio da madrugada, murcho como flor morta, imaginando o quanto mais teria que esperar para estar com ela novamente, ou se ela voltaria a me procurar, eu tinha como companhia uma garrafa de vinho¹, então para animar meu coração Afrodite me manda um “oi”, e como de relampejo surge um sorriso no meu rosto, antes mesmo que eu pudesse piscar eu já respondi com “oi meu bem”, então pensei “uffa, não sou tão difícil de esquecer”.
No meio da conversa surgiu a ideia de “pontos”, sempre que eu conquistasse um pouco o coração de Afrodite ganharia um ponto, e com uma quantidade pequena eu ganhava uma abraço, um pouco mais eu ganho beijo, e quanto mais pontos, mais abraços e beijos, e com uma quantidade muito alta eu ganharia coisas que valiam muito... bom podem imaginar do que se trata, mas claro que isso era apenas uma brindeira, que deixava mais emocionante nossas conversas, desejos, sonhos e fantasias.
Nossas conversas já falavam sobre beijos, abraços e amaços, mas estava muito difícil conseguir pontos para um único beijo, então fiz uma aposta, que eu poderia beija-lá sem tocar seus lábios, valendo R$ 100,00, Afrodite pensando na impossibilidade de eu ganhar a aposta² aceitou.
Afrodite mora muito longe de mim, e nossas diferenças culturais eram rapidamente notadas, e isso deixou tudo mais interessante.

Segue parte de nossas conversas:
Hades: Somos culturalmente somos incompatíveis
Afrodite: modesto vc né (referente a uma parte anterior da conversa)
Hades: então eh melhor terminar nosso amor nesse momento , antes q um de nós saia ferido
Afrodite: então tá td acabado, sei q vc vai chorar
Hades: sei que você vai chorar
Afrodite: e não volta atras chorando
Hades: mas isso logo passa
Afrodite: eu sei que vc não vive sem mim

Isso tudo foi dito em tom de brincadeira, porém pouco sabíamos que maior parte disso era realidade, eu realmente não viveria bem sem ela, e que se trevíssimos acabado aquele momento eu não teria saído ferido. Nota-se que pensavamos as mesmas coisas ao mesmo tempo, como se um completasse a frase do outro, muitas vezes escrevíamos a mesma coisa ao mesmo tempo, era muito engraçado.

¹Sim eu adoro vinho, e toma muito a uns 4 ou 5 meses atras.
²Para quem não entendeu, eu não queria ganhar a aposta, apenas tomar o beijo e depois pagar os R$100,00

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Autopsia de um amor, parte 3, A saudade,

Ao acordar no dia seguinte senti que tinha passado a noite com uma pessoa muito especial, mas que não estava na minha cama, como se estivesse saído antes que eu posse dar um beijo de despedia. Foi esse sentimento que me fez notar que eu realmente estava apaixonado por ela.
Eu fica lembrando sobre como eu ficava rindo sobre coisas que não eram tão engraçadas, mas parecia que de estar conversando com ela, já fazia meu sorriso surgir, era uma felicidade de estar feliz, uma felicidade de estar apaixonado, de ter encontrado alguém que realmente merecia meu amor, e que eu deveria batalhar até conquistar seu coração.
Aquela saudade não é comparável com a saudade que sinto hoje, era uma saudade de esperança, de amor, de ficar feliz em pensar em alguém, em resumo era maravilhoso sentir falta dela.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 2, O encontro,

Era uma quarta-feira a noite, eu estava de férias da faculdade, entediado, sozinho em casa, cansado das festas e bebedeiras. Vi na internet uma janela para um mundo diferente, um lugar para falar bobagens e me distrair, em uma sala de chat qualquer conheci várias pessoas, a maioria sem conteúdo algum, apenas eram engraçadas, mas uma pessoa em especial se destacava por superioridade moral, logo pensei: “quem diria, achar uma pessoa tão interessante em uma sala de chat”, senti a necessidade de saber mais sobre a mulher que me chamava a atenção, não demorou muito para conseguir o msn (Microsoft Messenger) dela.
A conversa no msn ficou a inda mais interessante, e cada vez mais identificava em Afrodite¹ a mulher que eu procurava para me completar, na verdade ela era especial de mais, eu já estava achando que não podia ser real, e comecei a levar em tom de brincadeira, eu continuei conversando com ela e ao mesmo tempo no chat, o que foi bom, pois enquanto eu conversava Gabriela no chat e demorava para responder a Afrodite, ela veio com um sutil ciumes, “vou deixar vc ta um pouco ocupado ai com a Gabriela”², gostei, pois o ciumes mornamente mostra que somos desejados, e foi assim que eu comecei a dedicar toda minha atenção a Afrodite.
Fiquei até de madrugada conversando com ela, foi uma das minhas noites mais importantes, falamos sobre faculdade,  bebida, amor e sexo.
Quem me conhece sabe que faço muito pelo calor das emoções e as vezes sou muito emotivo, e outras sou muito frio, mas aquela noite meu coração estava aquecido pelo carinho dela, e foi com esse calor que Hades¹ se apaixonou por Afrodite.

¹ Para não expor a ela nem a mim, vou usar os nicks de Hades para mim, e Afrodite para ela, claro que a maioria dos leitores me conhece e sabe meu nome verdadeiro.
² Sim eu tenho o histórico todo de nossas conversas.

Autópsia de um amor, parte 1, O motivo

Várias pessoas já me falaram que eu deveria escrever um livro, porém nunca tive inspiração, mas hoje venho aqui com uma inspiração, vou escrever um romance, ou uma auto-biografia de um amor, vou tentar resumir o máximo possível, (talvez o fim seja previsível pelo título).
Muitos do textos e poesias que eu escrevi até hoje, eram parte do meu imaginário, não foram baseadas em histórias nem sentimentos reais, nem menos de uma pessoa que conheci, foram criados apenas para tocar o coração de quem lê.
A uns quatro ou cinco meses atrás conheci uma pessoa que me fez sentir um amor de verdade, o tipo de pessoa que você conversa por horas e horas, e ainda quer conversar mais, e não consegue se distanciar da pessoa, por que senti saudade. Apesar de ter conhecido ela pela internet, logo no inicio notei que era uma pessoa muito especial, foi a única mulher que me levou até o céu (e ao inferno por algumas vezes).
Por ter sido uma história tão emocionante que me faltam palavras para descrer em poucas frases, resolvi me dedicar mais para descreve-lá. Talvez seja bom eu falar sobre isso, vai me ajudar a superar, ou talvez só me fará sofrer mais, porém é um desabafo com todos os meus leitores e uma explicação do por quer o amor não vale a pena.
Continua...

sábado, 14 de novembro de 2009

Luar

 Doa a quem doer, como está deixa estar
 Apenas quero me banhar nesse abençoado luar
 Se contigo já não estar, não quero mais chorar
 Não há espaço pra discórdias
 Vou ecoando meu cantar
 Cantar tão humilde de expressão tão serena, pois daqui de baixo a lua parece tão pequena
 Tão cheia de beleza, tristeza ou saudade, assim como meu cantar, és bela com humildade
 E aqui estou eu, abaixo de ti a cantar
 Te fazendo, ó lua, majestade e me encantando com teu luar.

 Aline Valença (ui de novo xD)

Jovens do futuro - Qual é a moral?

 Muros cobertos de suave tristeza, menosprezando o futuro com tamanha leveza
 Desconhecendo os padrões da verdadeira certeza, é o futuro do país e seus jovens de alma presa
 Considerando o prazer de um simples momento
 Mas achando que exitam só pelo lamento
 E são só muitas almas realmente pobres de conhecimento
 O jovem pensa, ou não pensa, ou pensa besteira que não compensa.
Então arrisca! Veja! Consiga ou esqueça!
 Como você quer que essa criança cresça?!
 Se tiveres que doutrinar, doutrine. Se tiveres que ensinar, que ensine, só não deixe que a raça de acabe somente pelo que a reprime.
 Você é muito mais do que isso!
 Somos muito mais do que isso!
 Juntos venceremos, mas separados perderemos, é a dura realidade de quem se importa de verdade
 Se não estamos juntos, qual é a moral? Vivermos nos fudendo em um grande motel global?
 Por isso honra tua gana, chuta a porta de quem te engana e mostra como é ser alguém legal.
 Pois legal não é aquele que se rende, mas aquele que sabe fazer o começo do final.

 Aline Valença (Ui) haha!

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Em tom de desastre

Sinto que você achou,
longe de mim,
alguém que vai substituir aquele amor todo,
que um dia eu a você prometi.

Nunca foi normal,
nem algum dia entendi, tudo que sentia por você,
só sei que foi de todo coração.

De novo se deu,
amor proibido,
como um Romeu,
tudo a você prometi.

Não foi o suficiente,
a mim você esqueceu,
como demente,
me atirei na cama,
e tudo que fiz virou drama,
só para descobrir que você não me ama,

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Dor e amor



Devorou o amor como se fosse torta,
por tortura a própria vida,
colocou-se em moldura torta,

Murmurou seu nome,
suplicou “não me abandone”,
nem mesmo assim você o ouviu,

E tudo era do amor perfeito,
que mera ilusão,
encontrou-se um defeito,

Sim, não passava de quimera,
ora, ora, acredita no amor?
Não desista, entrega-te a ele,
ele ainda não foi embora,

Porém, novamente não se iluda,
o amor não acredita em ti,
não nasce flor na muda que já morreu,
nem tem cor, no cinza da tempestade que se deu,

Ficou amargurado, desdém do sentimento,
o retrato arremessado, não fez jus ao amor combinado,
Apenas o arco-íris se formou,
Mas nenhum tesouro se entrou,

A esperança foi a ultima que suplicou pelo  seu amor,
E só assim tudo se acabou,
o verdadeiro sentido, não foi omitido,
logo foi dito, que o amor, rima com dor,

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Turbulência, capitulo 4

Vitor está um pouco confuso, mas feliz, toma um banho e sai para comprar algumas coisas para o café, deixando um bilhete para Caroline, “querida volto logo”, porém quando ele volta, ela não está mais em sua casa, escrito em baixo de seu bilhete, tem uma mensagem de Caroline, “tive uma ótima noite, mas tenho compromisso com hora marcada, me liga quando poder”.
Caroline tinha ido, mas o sorriso em Vitor continuava, enquanto arrumava as almofadas do sofá a campainha toca, abre a porta, e quando olha é sua prima Jenifer, linda, parecia que o tempo não tinha passado, continuava com aquela carinha de quando tinha 18 anos, a Lolita dos seus sonhos, parecia que mine-saia e blusa decotada era seu uniforme, mesmo sem fazer nada já o provocava. Ela deu um rápido “oi”, e correu para abraça-lo, beijando calorosamente perto de seu pescoço, o abraço durou um bom tempo.
- Oi, Jenifer! Achei que só chegava a tarde.
- Resolvi vir mais cedo, estava com saudades do meu priminho, estive pensando muito em você.
- Bom, vamos tomar um café?
- Claro, onde posso colocar minhas  malas?
- Você pode colocar no quarto ao lado do meu, acho que vai se sentir bem lá.
- É claro, eu estava desesperada por um lugar para ficar, quando seu pai disse que eu poderia ficar com você fiquei muito feliz.
- Eu vou arrumar o café e você arruma suas coisas.
Jenifer levou suas malas para o quarto, Vitor preparava um café, pensou na sorte que foi Caroline ter saido antes que Jenifer chegasse, e o quanto sua Lolita continuava sexy e provocante.
Vitor estava começando a colocar as coisas na mesa, quando Jenifer chegou atrás dele beijando seu pescoço e falando:
- Estava morrendo de vontade de te abraçar, você ficou muito mais bonito.
- Rsrsrs. Brigado, você é e sempre foi muito sexy, e me deixa com um tesão que não consigo controlar.
- Vitor então se virou e segurou sua Lolita pela cintura, lhe beijando, levantou-a e colocou em cima da mesa. Foi beijando seu decote, tentando alcançar o a ponta dos seus seios, ela ia levantando a sua blusa, ele beijando em seu pescoço e tirando a calcinha dela, realmente foi algo muito quente, muito carnal e era o que ambos queriam.
Após acabarem, ambos tomaram uma ducha, Vitor com um olhar vago e distante, arrepende-se do sexo, pensa em Caroline, como foi bom estar com ela, da conversa engraçada que tiveram, que se sentiu completo, mas com sua Lolita foi diferente, foi apenas ação, talvez nada mais que uma fantasia do passado, e o remorso percorreu em sua pela, talvez entre água que caia do chuveiro, também escorresse alguma lagrima dos olhos de Vitor.
Vitor vai ao seu quarto se secar, então que a campainha toca, e para ajudar na confusão Jenifer enrolada em uma toalha vai atender, logo após chama Vitor: “Tem uma tal de Caroline querendo falar com você”!
Continua...
Será que Vitor via se safar dessa? Ele optará entre uma das duas? Caroline vai acreditar que Jenifer é uma prima? Caroline vai querer ver Vitor novamente, mesmo a prima morando com ele? O que Jenifer vai pensar?
Descubra no próximo capitulo de turbulência!
Faça parte da história, coloque nos comentários (anonimo ou não) o que você faria no lugar de um dos personagem.

Turbulência, capitulo 3

Vitor quase não podia acreditar que estava em casa com a mulher que por anos escondia uma paixão, colocou para tocar sua seleção de musicas, deixou uma luz baixa, sentaram-se no sofá, e voltaram a conversar:
- Então, onde está a TV a cabo?
- Bah, nem lembrei, deu problema  e o técnico levou para arrumar, mas eu tenho vinho você aceita?
- Não, bebi de mais, você esta querendo me embebedar?
- Ops... Você notou?
- Rsrsrsrs...
- Não, só queria deixar você confortável, pois uma linda mulher merece ser tratada como uma rainha, e essa flor é pra você.
- Quem diria que por trás do tímido contador, se esconde um conquistador, (Sorrindo e cheirando a rosa recebida).
- E quem diria que em meu sofá estaria uma mulher tão linda, a mais linda de todas, que seria capaz de tirar a timidez desse contador, por vontade de fazer de tudo para conquista-lá?
- Assim você me deixa  sem jeito...
- Então vamos para de falar...
E assim Vitor se aproxima e segura na mão de Caroline, nesse momento, ele pode ver o brilho, nos olhos de dela, achava que ela estava disposta a ir mais adiante.
Com um pouco de insegurança, Vitor se aproxima do pescoço de Caroline, e começa a beijar com muita emoção, ambos sentem a temperatura aumentar, e com uma mão tira uma das alças do vestido dela, e com outra acaricia suas pernas, aproximando de suas partes intimas, sente que ela não está usando calcinha, conforme uma das alças deslisa pelo braço dela, o seio esquerdo fica amostra, Vitor vai beijando até alcança-lo, e com outra mão desce a outra alça, fazendo o vestido cair.
Vitor deita Caroline no sofá, e retira seu vestido por completo enquanto ela retira sua camiseta, ele volta beijando suas pernas até chegar em sua região intima, a qual beija e acaricia, ela sente prazer e solta pequenos gemidos. Vitor continua a acaricia-lá, e toca o corpo de Caroline, até ela chegar ao orgasmo.
Ele vai tirando o resto deu sua roupa, e beijando todo o corpo dela, quando chega nos lábios de Caroline, penetra ela, que solta um gemido bem alto, fazem amor por muito tempo, que se pareciam intermináveis momentos de prazer, no fim da exaustão e de muitos orgasmos, adormecem no sofá.
Ao amanhecer, Vitor se lembra, que a tarde sua prima Jenifer, está por chegar, e que tem uma linda mulher no seu sofá.
Continua...

Turbulência, capitulo 2

Caroline ainda esperava pela resposta de Vitor, já tinha notado que ele era tímido, mas imaginou que não teria problemas em convida-lo para sair, afinal eram colegas, e não teria problema nenhum em fazer companhia um para o outro. Vitor ainda sem jeito, mal acreditava que  a secretária tinha lhe convidado para sair, tentava desviar olhar dos olhos dela, e acabava caindo com o olhar em seu pequeno decote, o que o deixava mais sem jeito ainda. Já era tempo de uma resposta e tomando folego respondeu:
- Claro, será um prazer te acompanhar!
- Heba, nos encontramos no barzinho às 9?
- Sim! Até mais.
- Até!
Vitor pela primeira vez em muitos anos, sentiu-se um homem de atitude, mesmo que não muita. Pensou em segundas, até terceiras intenções com Caroline, foi para casa, deixou uma seleção de musicas programadas no radio, se preparou, esperou ansiosamente o tempo passar, saiu para encontrá-la, passou na farmácia, comprou camisinhas e alguns chicletes, chegou no barzinho, estava com clima quente, Caroline, amiga e o namorado, já estavam lá, falando de sexo e amor, Vitor sentou-se ao lado de Caroline, um pouco tímido conversou pouco, mais reparou no vestido, leve, não muito longo, com um decote sensual, de alças finas. Não muito tempo depois a amiga e o namorado se despediram e foram casa.
Vitor já tinha bebido um pouco além do normal, e sua timidez já tinha sumido, não parava de olhar para o corpo de Caroline, principalmente suas pernas, que desejava acariciar, e não deu muito tempo foi o que ele fez, e de resposta veio um sorriso meio que constrangido, sem embaraço tirou a mão, e lhe deu um abraço roubando um longo beijo.
Após o beijo, Vitor olhando nos olhos dela, perguntou:
- O que você acha de irmos para minha casa?
- Rsrsrs.... Você acha que eu sou que tipo de garota?
- Acho que você é uma garota linda, que merece muita carinho e atenção. Eu tenho a discografia toda de Papas da Língua,  o que você acha?
- Rsrsrs... Não é minha banda preferida.
- Tenho TV a cabo e muita pipoca.
- E... você vai querer ficar olhando TV?
- Não, você olha TV, eu fico admirando você! Prometo me controlar.
- Hunn... Sei... Promete?
- Prometo! Promessa de escoteiro Lobinho.
- Então vamos... Rsrsrs...
O que Caroline não sabia, é que Vitor nunca tinha sido escoteiro, nem ao menos tinha vontade de cumprir sua promessa, afinal o mundo é feito de pessoas que quebram suas promessas.
Continua...

Turbulência, capitulo 1

Essa história não é recomendada para menores de 18 anos, tem um pouco de romance, sexo, mentiras, e não me pergunte se o final vai ser feliz, pois ainda não sei...

Por desgosto, ou falta de espirito de aventura, Vitor, se sentia na amargura, de uma vida pacata, modesta, mas comoda, não notava os anos passando sem ter histórias empolgantes para lembrar. Vinte e oito anos, e já era contador importante, em uma filial de uma grande empresa, em Porto Alegre, não tinha namorada, apenas uma paixão que já escondia a alguns anos, pela Caroline, a secretaria da empresa.
Dia após dia ele acordava às 7 horas, preparava-se para o trabalho, chegava às 8 horas, reparava na roupa da jovem e sexy  secretária, dirigia-se para sua sala, com uma hora de almoço, trabalha até às 18 horas, voltava para sua casa em seu carro popular, ligava rádio e sentava-se na varanda, tomava um vinho enquanto via o sol se pôr, organizava a casa, jantava e dormia.
Tudo aconteceria exatamente igual nessa sexta-feira, a  não ser até seu telefone tocar:
- Alô.
- Oi Filho!
- Pai?! Tudo bem?
- Sim, to te ligando pra saber se importa de acomodar sua prima Jenifer, em sua casa, ela passo no vestibular para turismo. Tudo bem?
- Bah!
O que Artur, pai de Vitor, não sabia, era que o filho suou frio e lembrou-se da ultima vez que viu Jenifer, três anos atrás, em uma festa de família, com 18 anos, em uma mine-saia que deixava suas pernas bem amostra, e uma blusa sensual segurando seus fartos seios, era linda, para Vitor a Lolita de seus sonhos, que na despedia lhe deu um doce beijo, que fez acelerar seu coração. Com muitas noites pensando nela, e trocaram vários e-mails, apaixonou-se, até Jenifer, começar a namorar com um vizinho de sua idade.
- E ai filho, ela pode ir?
- Si, Si, Sim. (nervoso Vitor responde)
- Ok! Amanhã a tarde ela chega ai!
- Mas já?!
- Sim, as aulas começam logo, ela tinha planejado alugar uma casa com uma amiga, que não vai mais poder ir.
- Então tá...
- Tenho que desligar agora, tial filho.
- Tial, Abraço.
Pelo resto do dia Vitor não podia tirar da cabeça a lembrança do beijo de Jenifer, pensava como seria conviver com ela, e se deveria deixar-se ou não levar pelos seus desejos carnais com a Lolita dos seus sonhos. Sem ter trabalhado muito, já era 18 horas, ao sair de sua sala Caroline chama sua atenção com um encantador sorriso.
- Vitor! Já vai?
- É... Já está na minha hora.
- Olha só, mais tarde eu, uma amiga e o namorado dela vamos a um barzinho, com música ao vivo, não está afim de ir junto? Sabe, falar umas bobagens, tomar umas cerveja... O que você acha?
Mais de uma vez no mesmo dia Vitor suou frio, nervoso, não entendeu direito o convite, Caroline e ele não conversavam muito, mas ele sempre quis convidá-la para sair, apenas lhe faltará coragem. Não achava certo misturar trabalhado com outras relações, mas isso apenas era uma desculpa para justificar sua timidez, pois era fascinado por esta mulher.
Continua...

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Minha Riqueza

Na jornada da vida,
Entre tropeços e acertos,
Encontrei meu amor,
Você é meu potinho de ouro no final do arco-íris,

Momento trivial

Danado aquele sorriso que veio de ti,
quando de interesse olhei nos teus olhos,
encabulado, mas empolgado,

Foi uma brisa leve,
no calor da situação,

Naquele embraço,
me culpo,
por não ter ti puxado para um abraço,
e tomado dos teus lábios o gosto do teu beijo,

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Desentendido

Na montanha das desilusões,
atributos oriundos da discórdia,
desfazem o que ainda resta da sanidade,
louco de pedra,
faz as coisas no impulso, 
tropeça e nega os próprios erros,
machuca o seu coração,
e tanto a direita quanto a esquerda,
leva para a direção do abismo,
apenas o consenso leva ao paraíso.

A caminhada é dura,
cheia de encontros e desencontros.
O vento frio, racha a pele,
e entristece o viajante.
A vontade de desistir,
desmerece a glória.
Caminho árduo,
amargura do desestimulo.

A poeira sobe, enquanto o sol se esconde,
e a principio tudo é mais difícil,
o brilho do olhar não ilumina,
as estrelas não indicam o cume da montanha.

Sonetos góticos, sussurram no ar,
esperando a falência do viajante.
Suplicou  a Deus,
pediu dispensa da caminhada.
Chorou, e suas lagrimas salgadas,
não serviram para aliviar sua sede.

Passou em penumbra,
sentiu em sua nuca o uivo dos lobos.
Sentiu medo, rastejava em direção as trevas.

Lamentou o ocorrido,
pediu desculpas,
porém a fome não passará,
e nem a luz ele alcançará.

Desprovido das suas forças,
nem as respostas procurava mais.
Apenas caminhava,
e perdia os laços de amor,
a cada passo ou rastejo,
lembrava que as verdades e mentiras da sua vida,
não restava nem ao menos uma realidade,
que já não estivesse corrompida,
todo orgulho era combatido com orgulho,

Continua...
Ou talvez não...

sábado, 10 de outubro de 2009

Por que eu escrevo

O que eu escrevo não é bom.
Não soluciona nenhum dos problemas do mundo, nem ao menos os meus.
As pessoas que lêem isso não se sentem melhor.
Viajo entre as linhas e isso nem faz sentido.
Porém continuo a escrever, pois tudo que tenho são meus pensamentos, e com eles sou livre.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Principio do fim

Não são meros os motivos mais sinceros,
Não há maldade na verdade,
Só faz dor a realidade,
Serena discórdia,
Laços de juras eternas,
Tão precárias quanto os sentimentos,

Esquiva-se das soluções,
A resposta é a solidão,

domingo, 4 de outubro de 2009

Onde está meu amor?

Em algum lugar distante,
eu sei que está meu amor,
e isso é o que temos em comum,

Eu sei, e ao mesmo tempo nada consigo explicar,
a saudade aperta e o peito dói,
sinto que meu amor não vem me ver,

Mas eu sei,
em algum lugar por ai,
meu amor me procura,

Já tentei em outros olhos achar o brilho dos teus,
Só que é só você, que é a minha menina,
Só você que pode me curar dessa saudade que eu sinto,

Nós temos tanto e tão pouco,
Tetaram tirar tudo de nós,
Mas tudo que sobrou, é o que mais importa,
Que é o amor. É o amor!

Doidera

Olha só o que eu fiz.
Deixei a porta aberta, esperando você vir me ver.
Na noite fria, tem uma coisa que me angustia.
Acho que estou ficando maluco.
Espero pelo calor do verão.
Só pra ter a esperança, de sentir você.
É como querer sonhar em um sonho.
Não sei se eu corro para te alcançar ou espero você se cansar.
Logo, vamos ter que nós abraçar.

Esperança

Olha a vida e esperança, despojamos nossos versos, com sonhos de alegrias. Tenhamos fé nas preces feitas com coração.
Escuta o canto dos pássaros, veja na beleza de uma flor, sinta na complexidade das constelações estrelares. Me diga, é belo?
É obra de Deus, que nós deu a vida, que nós fez livres, que nós deu o dom de amar.
E o amor, dádiva graciosa, desconhecida por muitos, que só conhecem o rancor, e o ódio, amor que é desconhecido e se desdobra por fronteiras, que se faz ardente com a paixão, que se faz carinhoso como amor de amigos, é protetor como amor paterno e materno, que fidedigno como amor de irmãos.
E deve ser assim, que corações abatidos pela discórdia, desamparados, traídos, corações com rancor  e ódio, sejam cobertos novamente pelo amor, que surja esperança de paz onde há guerra.
Façamos nossos deveres com amor, e que amemos as pessoas sinceramente.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Saudade


 
 Hoje da saudade,
Do teu beijo que ti roubei,
Da tua pele que toquei,
Do teu seio que acariciei,

Oh,
És tu mulher que me tira sono,
Que me entristece pelo teu abandono,
Que me enlouquece,

Com essa dor, hoje eu admito,
És meu amor e te suplico,
Volta,
Devolve a mim o coração que tirou do meu peito.

Nem sei

Nem sei se é verdade ou falsidade,

Pensei ter felicidade,

...E o que senti foi terror,


Nem sei se amei ou detestei,

Por você me apaixonei,

...E o que senti foi saudade,


Nem sei se é colorido ou mórbido,

Eu fui amado,

...E me senti desprezado,

domingo, 6 de setembro de 2009

Desejo

Almejo teu beijo,
Com aquele desejo,
De quem quer mais do que um beijo,
Querendo seu corpo por inteiro,

Por isso te beijo,
Enquanto desliso,
Minhas mãos nas curvas,
Do teu corpo,
Sinto sua pele macia,
E acaricio,
Com meus lábios,
Os teus seios,

Enquanto te beijo,
Sinto que te desejo,
Como quem quer mais,
Do que um simples arreto,

Assim te quero,
No meus braços,
Nua,
Pois te desejo,

Com entrelaço,
Do meu corpo,
Com o seu,
Fazemos amor,
*Dia 06 de setembro dia do sexo, pratiquem!

Poema de você




Teus olhos de mel, são como doce do céu,
Beijar teus lábios delicados, é sentir um pouco de um pecado
Na tua pele macia, toquei e senti a magia
teus sentimentos, te amo por todos os momentos

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

O que eu sinto

O amor não tem motivo,

Não tem noção,

Não tem limites,

Não tem razão,


Te amo,

Me ame,

Me faça feliz,

Eu te quero feliz,


Você é linda,

É meu aconchego,

É minha sanidade,

É minha insanidade,

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Brigas

E quando é com nosso amor? As brigas são diferentes?
Brigar com um amor, é tão ruim quanto mergulhar em um mar escuro, sem fundo.
Quanto mais fundo, menos você vê a luz do sol.
Quanto mais escuro, menos ar você tem.
A um ponto que não tem volta.

Voltar? A vida é uma linha reta...
No soberbo da sua razão, a verdade é a solidão,
Que por ventura vem logo a angustia,
Outrora amor, por agora angustia.


Molestamos o amor, esquecemos o amor.
Desfiamos a teia, que antes se construía com palavras lindas.
Quanto tempo dura um “Te amo para sempre!”?

Aprendemos com nossos desamores a viver.
Mas quantos desamores temos que viver para aprender a amar?
Quando aprenderemos a não brigar?

Será que existe um espaço para um recomeço?
Ama a mim, como eu te amo? A ponto de superar nossas divergências?

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Não é novidade




Dizer que estou pensando em você sem parar,

Querer estar com você,

Sonhar com o toque da sua pele,

Amar só você da manhã até a noite,

Acordar na madruga e procurar por você na minha cama,

Lembrar do dia em que te conheci,

Não é novidade eu dizer que te amo,

Suspirar sussurrando seu nome,



Doce ilusão



Lugar para descansar,

Mundo onde os sonhos crescem,

Ano que só tem primavera,

Paixão que não acaba,

Amor que perdoa,

Confiança sem mentira,

Tudo sempre vai dar certo no final.


Com um sorriso forçado, deito mais uma vez com a ilusão que de me transportar para perto do meu amor.

Sonho que descanso no aconchego de seu corpo.

Posso sentir o aroma das flores desabrochando.

Almejo seu corpo, fico em paz quando toco sua pele, chego as estrelas, beijo seus lábios.

Amor que só cresce, faz doer mais a partida, a despedida.

Abrir os olhos e querer acreditar que não era um sonho.

Fechar os olhos novamente e esperar o sonho voltar.



sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Amor que vem

Amor brota como roseira,

Surge de vagar no coração, como se fosse besteira,

Abre espaço com seus espinhos, sem respeitar fronteiras,


Amor sem controle,

Floresce com calor,


Amor que é lindo,

Regado com palavras doces,

Encanta o amado,


Amor faz sonhos,

Anseios embriagados,

Pétalas surgem,


Amor que é amor,

Não tem regras,

Não tem caminho,

Não tem volta,


Amor que sente,

Saudade,

Felicidade,

Segurança,


Amor que... eu amo!

Amor que...

sábado, 25 de julho de 2009

Amor Sempre

A cada passo que dou, eu procuro por você,
A cada dia que eu acordo, eu procuro por você,

Quando penso em você meu coração bate mais forte,
Quando ouço sua voz meu sorriso surge,
Quando você me faz chorar é de felicidade,
Quando eu sofro é por que você não esta comigo,

Você é minha rainha, meu amor,
Com você meus dias ficam alegres,
Quero te conquistar todos os dias,
Sentir teu amor a todo momento, só para saber que isso não é um sonho,

Quando vejo já estou sonhando,
Sonhando com sua voz,
Sonhando com sua pele,
Sonhando com teus lábios,

Não quero te perder,
Não quero ficar sem você por nenhum dia a mais da minha vida,
Demorei anos pra te encontrar, e todo os resto da minha vida quero ter você,
E se isso for um sonho, eu não quero acordar nunca,

Meu amor, eu te amo,
E você é meu amor perfeito, desperta o que a de melhor em mim,
Com você eu vejo que tudo sempre será perfeito,
A verdade é que quero você sempre,

Amor eu te desejo,
Desejo você perto de mim,
Desejo te encher de carinho,
Desejo que nosso amor seja eterno,

Embriago-me nesse sentimento de paz,
Fico inerte ao resto do mundo,
Sinto nesse amor a razão de viver,
Amo-te mais e mais a cada instante.

Saudade

Mais uma vez me sinto só,
Só como gosto de estar,
Tão só que sinto o cheiro da solidão,
Só... sozinho, com saudosismo dos sonhos de amor,

Só, quieto, olhando para o escuro,

A multidão me rodeia,
Todos querem de mim o que não tenho pra mim mesmo
Tudo que sinto é solidão,
Nenhuma pessoa pode trazer de volta meu amor,

O frio me cerca,
As lagrimas congelam antes de chegar ao chão,
Em meus lábios ainda sinto o gosto da peçonha,
Nos meu ombros está o peso da derrota,

Declaro a essa dor,
Dor que é passageira,
Passa pelo meu coração e não volte já mais,
Faça surgir a luz, traga de volta os meus sonhos,

domingo, 31 de maio de 2009

pequena história

Um dia te conheci, e como por um segundo de loucura me apaixonei por você, foi algo instintivo, foi algo que não pude controlar, não posso te explicar o por que, mas foi o momento em que não desejei mas nada alem de você, naquele momento me senti feliz por completo por te conhecer.
Logo em seguida e veio a ilusão que você era a pessoa que faltava para completar meu coração.
Por momentos fomos felizes de verdade, mas por mais momentos nos tornamos mais infelizes que eramos antes.
E ser feliz por instantes e logo ser infeliz, é pior q nunca ser feliz.

Erros meus e teus

Vivendo e errando esse é nosso destino
Errando para nossa própria infelicidade
Errando para nos esquecer
Errado para acabar com tudo de uma vez só

Sei que errei por te amar de mais
Meu erro reflete meu verdadeiro caráter
Quando erro sou eu de verdade
Vitimas são aquelas que acreditam em minhas palavras

Faço das coisas mais simples que são
Faço das palavras mais verdadeiras quando falo o que sinto
Faço dos meus sentimentos mais cruéis quando te digo que não da mais
Faço deste um fim com o sentido de não me magoar mais

Se é amor, não temos que sofrer
Se é amor deveria confiar em você
Se é amor não tenho mais que te amar
Se é amor, esse é o fim do amor.

Amargurado

Tão azedo é o gosto de um sonho perdido
Tantas lagrimas sem proposito

Sozinho a noite recito de novo versos de infelicidade
A noite escura com uma nevoa turva que me faz desejar não estar vivo
Viver em dias com amargura é como sentir os vermes apodrecendo sua carne
O coração não bate, meus olhos não fecham, minha sentença já foi dita
Minha morte é agora, não é como se eu estivesse prestes a morrer, é como se eu já estivesse morto
Olho para meu lado e não vejo ninguém,
Pergunto pelo meu amor e não ouço resposta
Vivo em meio as trevas, lagrimas não escorrem do meu rosto
Meu coração é frio, e não reclamo por isso,
Sei que um dia vou voltar,
Voltarei e direi a mim mesmo que desta vez não cometerei os mesmos erros.

O céu

De que adianta conhecer o céu se eu vivo no inferno,
Ver o brilho do sol por apenas é alguns minutos é pior do que nunca ver
Quero nunca mais tocar as estrelas nem sonhar com o amor
Quero que dessa vez tenha sido minha ultima ilusão

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Demência

Afaga-te na loucura?
Dizei-me o que não da mais
Fala a ti mesmo
Fala contra teu espelho, e diga-me se acreditas no diz

Se não tombastes na primeira pedra
A há de tombas nas próximas
Todos teus sonhos se foram,
Acredite todo dia sonhamos novamente

Palavras hipócritas
Só fazem mais alusão a mentira

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Sofrimento

Alguns instantes depois de falar com você me sinto triste
Parece que uma parte do meu coração se foi
Uma parte de mim não é mais minha
Queria esse sentimento longe de mim
Sofrer por amor é o pior sofrimento
Antes um corte do que a saudade