quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Brigas

E quando é com nosso amor? As brigas são diferentes?
Brigar com um amor, é tão ruim quanto mergulhar em um mar escuro, sem fundo.
Quanto mais fundo, menos você vê a luz do sol.
Quanto mais escuro, menos ar você tem.
A um ponto que não tem volta.

Voltar? A vida é uma linha reta...
No soberbo da sua razão, a verdade é a solidão,
Que por ventura vem logo a angustia,
Outrora amor, por agora angustia.


Molestamos o amor, esquecemos o amor.
Desfiamos a teia, que antes se construía com palavras lindas.
Quanto tempo dura um “Te amo para sempre!”?

Aprendemos com nossos desamores a viver.
Mas quantos desamores temos que viver para aprender a amar?
Quando aprenderemos a não brigar?

Será que existe um espaço para um recomeço?
Ama a mim, como eu te amo? A ponto de superar nossas divergências?

Nenhum comentário:

Postar um comentário