segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 10, Eu confio em você

Confiar ou não confiar? Eis a questão.
Uma pessoa que está sempre desconfiada acaba virando neurótica, temos que escolher entre confiar ou não em uma pessoa, quando se trata de amor está é uma questão de uma amplitude muito importante. Se você não confia na pessoa amada, está ai um grande problema.
Para mim que nunca tinha encarado um amor tão forte e complexo, a confiança não tinha um papel importante. Essa questão deveria ser respondida com meus instintos, ao passar do tempo nossas confidencias necessitavam que houvesse de um nível alto de confiança, e como se já estivesse rascunhando em minha alma, meus instintos me mandavam confiar em Afrodite.
Talvez essa confiança em excesso pudesse me fazer fechar os olhos, e encarar tudo como perfeito.

domingo, 29 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 9, Não existe amor, apenas provas de amor

Eu fico pensando, normalmente você sabe que ama uma pessoa. Porém mesmo que uma pessoa te diga que te ama, como ter certeza?
Palavras, frases, juras de amor, não são o amor, apenas tentam te fazer acreditar nele. Então como colocar a prova um amor?
A melhor forma de provar um amor é o tempo, pois o tempo coloca a prova tudo, o tempo separa a paixão do amor. Ao passar dos dias se descobre, que nem sempre estamos dispostos a sorrir, e são nesses dias de infelicidade que o verdadeiro amor é o único que fica ao seu lado.
E claro eu também haveria de ter meus dias de mau humor, e minha bipolaridade¹ se destacava as vezes com um tom bem azedo, e nesses dias que não foram muitos, Afrodite me fascinava com sua doçura, me fazia sorrir e me “aturava” quando eu mesmo achava algo impossível.
Eu queria muito retribuir a paciência e carinho, mas sempre que Afrodite tinha algum problema familiar, ou simplesmente estava para baixo, preferia se fechar e não tocar no assunto, até hoje não tenho certeza dos motivos que a levava não me deixar ajudar ou ao menos ouvi-la, talvez fosse ruim para ela não falar de coisas felizes, ou não queria me chatear com seus problemas. Deve ser o que a maioria dos homens quer, não saber dos problemas de sua namorada, mas no meu idealismo é necessário ter cumplicidade de todos sentimentos, não há prova melhor de amor que poder viver com as diferenças entre cada um, com a felicidade e a tristeza, superando o que for necessário superar.²

¹Tecnicamente eu não sou bipolar, mas quem muda de humor com facilidade é o que?
² Essa parte até me lembra algo como, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença.

Autópsia de um amor, parte 8, Namoro virtual

Sinceramente lembro muito mais do dia que conheci Afrodite, do que do dia em que selamos nosso compromisso.
Teve um dia em especial que decidi que não poderia correr o risco de perder Afrodite. Foi então que a pedi em namoro, e para minha alegria ela aceitou.
Um namoro virtual pode parecer complicado, mas quando há amor, tudo fica mais simples.
Minha vontade era de conquistar Afrodite todos os dias, tanto que a pedia em namoro várias vezes na  mesma semana, acho que fazia isso para confirmar que ela realmente era minha.
A cada novo pedido, uma nova conquista, uma nova poesia que descrevia todo meu amor por ela.

sábado, 28 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 7, Planos e sonhos

Por mais que nossas conversas me fizessem feliz, o que mais queria era poder tocar o corpo de Afrodite, entre nossas conversas entravamos em fantasias, sonhavamos  com o dia que iriamos nos encontrar, com o sabor de cada beijo e sensação do toque em cada pele.
Ao passar de um mês já sabíamos muito dos sonhos e desejes mais íntimos de cada um, nossa intimidade era compartilhada sem nenhum pudor.
Teve uma vez que sonhei com Afrodite, foi um dos sonhos mais puros que já tive, onde eu ia levitando até ela, e no encontro eu a beijava, tão bom que eu não queria mais voltar para a realidade.
Nossos sonhos faziam as nossas conversas mais emocionantes, a cada sonho um novo desejo, a cada desejo mais necessidade de encontrar Afrodite.
Por hora nosso amor estava condicionado aos nossos sonhos, para pior saber que caso o sonho desmoronasse com ele também iria toda nossa esperança.

Autópsia de um amor, parte 6, Como se fosse por uma vida inteira,

Apesar de eu desejar mais de Afrodite, me contentava com os risos e felicidade que ela me provocava.
Mesmo sem ela falar que me amava eu sentia que a cada momento ela se prendia mais a mim.
Já parecia que nós conhecíamos por uma vida inteira, lembravamos  um do outro durante o dia seguinte, como se estive no subconsciente a necessidade de lembrar um do outro.
Segue parte de nossas conversas:
Afrodite: hj aqui, minha irmã fez uma brincadeira, e eu falei sem querer, ta igual ao Hades
Hades: hahahah... e o que ela falou?
Afrodite: ai ela perguntou, quem é Hades?
Afrodite: eu disse ninguém
Por um lado eu fiquei super feliz por ter a certeza que ela pensava em mim mesmo sem querer, por outro lado senti que ser ninguém não é muito legal, Afrodite tinha vergonha do nosso relacionamento ou que não queria deixar que outras pessoas soubessem de mim.
Falando com ela minhas frases se transformavam em poesias, sem duvida ela era minha musa, entre as várias poesias que eu declarava meu amor a Afrodite, finalmente ela admite que me ama, talvez eu já soubesse disso, porém nada é melhor do que a pessoa amada te dizer que te ama, sensação tão boa que era capaz de me fazer estar no céu, era tão bom que embriagava meus pensamentos e a única luz que enxergava era a dos olhos de Afrodite.
Quanto mais os dias se passavam eu me acostumava mais com a necessidade de te-lá em minha vida, mesmo com ela retribuindo meu amor com carinha, felicidade e amor, eu sentia que ela via nosso relacionamento como algo errado, algo que deveria ficar apenas entre nós, que sua família não podia se que sonhar com minha existência.
Eu nunca estou contente com o que eu tenho, sempre quero mais, e é essa vontade de querer mais que rege minha vida, e eu queria ter Afrodite por completo, talvez tenha sido essa cede abalou nosso destino.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 5, O amor não precisa de sentido,

Os dias passavam, e conversamos cada vez mais. E pouco importa sobre o que falávamos, o mais importante era a sensação de felicidade que ambos sentíamos em estar juntos, nem tem como eu dizer o motivo que me fez amar ela.
Mas como dizer pra alguém se conhece pela internet que a ama? Eu apenas consegui dizer que gostava muito dela, e Afrodite só me respondia o mesmo.
Porém chega um momento que gostar não é suficiente para descrever o se senti. Não fazia muito tempo que eu conhecia ela, mas sentia que deveria dizer o que eu sentia de verdade, não poderia deixar passar essa chance, ver o amor da minha vida, estar com comigo, me tratar com carinho, me fazer o mais feliz possível, eu não deveria ter medo de expressar meu verdadeiro sentimento, ela valia muito mais do que meu medo de errar, ela era minha musa, já inspirava todos meus poemas, me dava motivo para querer ser melhor, mudar meus hábitos. Foi com a certeza do que eu sentia, no fim de uma madrugada em uma despedida, finalmente eu disse a ela que eu a amava.
Como em um mergulho no inferno, me senti o ultimo dos homens, de resposta dela veio um simples “você é um amor”, fui dormir com um nó na garganta, afinal eu esperava de volta um “eu te amo”, tentei ser otimista, afinal nos conhecíamos a pouco tempo, te amo é muito forte para se falar a uma pessoa, ela poderia ter levado na brincadeira.
Porém eu pergunto:
Qual o problema de se falar o que se sente?
Eu tenho que ter um motivo especifico para amar?
Não podemos ser sinceros sem medo de errar?
Eu devo temer o amor, pois não posso controla-lo?
Foi pensando nisso que eu dormi amargurado aquela noite, e a primeira vez que eu cai do céu direto para o inferno.
Talvez eu tivesse sentido que Hades não foi feito para viver no céu.
Continua.

Não importa

Eu não me importo se ninguém mais gostar do que eu escrevo,

Não me importo se ninguém mais se lembrar de mim,

Não faz diferença se as rosas só florescem na primavera,

Ou se as folhas sempre caem no outono,

Nada disso importa, se eu ainda viver no seu coração.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Autopsia de um amor, parte 4, Eu vou te conquistar,

Então na noite seguinte antes do anoitecer eu já estava no msn, aflito, a espera de Afrodite, muitas outras pessoas queriam conversar comigo, mas nenhuma fazia a mim ter parte da felicidade que eu sentia por estar com Afrodite.
Já no inicio da madrugada, murcho como flor morta, imaginando o quanto mais teria que esperar para estar com ela novamente, ou se ela voltaria a me procurar, eu tinha como companhia uma garrafa de vinho¹, então para animar meu coração Afrodite me manda um “oi”, e como de relampejo surge um sorriso no meu rosto, antes mesmo que eu pudesse piscar eu já respondi com “oi meu bem”, então pensei “uffa, não sou tão difícil de esquecer”.
No meio da conversa surgiu a ideia de “pontos”, sempre que eu conquistasse um pouco o coração de Afrodite ganharia um ponto, e com uma quantidade pequena eu ganhava uma abraço, um pouco mais eu ganho beijo, e quanto mais pontos, mais abraços e beijos, e com uma quantidade muito alta eu ganharia coisas que valiam muito... bom podem imaginar do que se trata, mas claro que isso era apenas uma brindeira, que deixava mais emocionante nossas conversas, desejos, sonhos e fantasias.
Nossas conversas já falavam sobre beijos, abraços e amaços, mas estava muito difícil conseguir pontos para um único beijo, então fiz uma aposta, que eu poderia beija-lá sem tocar seus lábios, valendo R$ 100,00, Afrodite pensando na impossibilidade de eu ganhar a aposta² aceitou.
Afrodite mora muito longe de mim, e nossas diferenças culturais eram rapidamente notadas, e isso deixou tudo mais interessante.

Segue parte de nossas conversas:
Hades: Somos culturalmente somos incompatíveis
Afrodite: modesto vc né (referente a uma parte anterior da conversa)
Hades: então eh melhor terminar nosso amor nesse momento , antes q um de nós saia ferido
Afrodite: então tá td acabado, sei q vc vai chorar
Hades: sei que você vai chorar
Afrodite: e não volta atras chorando
Hades: mas isso logo passa
Afrodite: eu sei que vc não vive sem mim

Isso tudo foi dito em tom de brincadeira, porém pouco sabíamos que maior parte disso era realidade, eu realmente não viveria bem sem ela, e que se trevíssimos acabado aquele momento eu não teria saído ferido. Nota-se que pensavamos as mesmas coisas ao mesmo tempo, como se um completasse a frase do outro, muitas vezes escrevíamos a mesma coisa ao mesmo tempo, era muito engraçado.

¹Sim eu adoro vinho, e toma muito a uns 4 ou 5 meses atras.
²Para quem não entendeu, eu não queria ganhar a aposta, apenas tomar o beijo e depois pagar os R$100,00

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Autopsia de um amor, parte 3, A saudade,

Ao acordar no dia seguinte senti que tinha passado a noite com uma pessoa muito especial, mas que não estava na minha cama, como se estivesse saído antes que eu posse dar um beijo de despedia. Foi esse sentimento que me fez notar que eu realmente estava apaixonado por ela.
Eu fica lembrando sobre como eu ficava rindo sobre coisas que não eram tão engraçadas, mas parecia que de estar conversando com ela, já fazia meu sorriso surgir, era uma felicidade de estar feliz, uma felicidade de estar apaixonado, de ter encontrado alguém que realmente merecia meu amor, e que eu deveria batalhar até conquistar seu coração.
Aquela saudade não é comparável com a saudade que sinto hoje, era uma saudade de esperança, de amor, de ficar feliz em pensar em alguém, em resumo era maravilhoso sentir falta dela.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Autópsia de um amor, parte 2, O encontro,

Era uma quarta-feira a noite, eu estava de férias da faculdade, entediado, sozinho em casa, cansado das festas e bebedeiras. Vi na internet uma janela para um mundo diferente, um lugar para falar bobagens e me distrair, em uma sala de chat qualquer conheci várias pessoas, a maioria sem conteúdo algum, apenas eram engraçadas, mas uma pessoa em especial se destacava por superioridade moral, logo pensei: “quem diria, achar uma pessoa tão interessante em uma sala de chat”, senti a necessidade de saber mais sobre a mulher que me chamava a atenção, não demorou muito para conseguir o msn (Microsoft Messenger) dela.
A conversa no msn ficou a inda mais interessante, e cada vez mais identificava em Afrodite¹ a mulher que eu procurava para me completar, na verdade ela era especial de mais, eu já estava achando que não podia ser real, e comecei a levar em tom de brincadeira, eu continuei conversando com ela e ao mesmo tempo no chat, o que foi bom, pois enquanto eu conversava Gabriela no chat e demorava para responder a Afrodite, ela veio com um sutil ciumes, “vou deixar vc ta um pouco ocupado ai com a Gabriela”², gostei, pois o ciumes mornamente mostra que somos desejados, e foi assim que eu comecei a dedicar toda minha atenção a Afrodite.
Fiquei até de madrugada conversando com ela, foi uma das minhas noites mais importantes, falamos sobre faculdade,  bebida, amor e sexo.
Quem me conhece sabe que faço muito pelo calor das emoções e as vezes sou muito emotivo, e outras sou muito frio, mas aquela noite meu coração estava aquecido pelo carinho dela, e foi com esse calor que Hades¹ se apaixonou por Afrodite.

¹ Para não expor a ela nem a mim, vou usar os nicks de Hades para mim, e Afrodite para ela, claro que a maioria dos leitores me conhece e sabe meu nome verdadeiro.
² Sim eu tenho o histórico todo de nossas conversas.

Autópsia de um amor, parte 1, O motivo

Várias pessoas já me falaram que eu deveria escrever um livro, porém nunca tive inspiração, mas hoje venho aqui com uma inspiração, vou escrever um romance, ou uma auto-biografia de um amor, vou tentar resumir o máximo possível, (talvez o fim seja previsível pelo título).
Muitos do textos e poesias que eu escrevi até hoje, eram parte do meu imaginário, não foram baseadas em histórias nem sentimentos reais, nem menos de uma pessoa que conheci, foram criados apenas para tocar o coração de quem lê.
A uns quatro ou cinco meses atrás conheci uma pessoa que me fez sentir um amor de verdade, o tipo de pessoa que você conversa por horas e horas, e ainda quer conversar mais, e não consegue se distanciar da pessoa, por que senti saudade. Apesar de ter conhecido ela pela internet, logo no inicio notei que era uma pessoa muito especial, foi a única mulher que me levou até o céu (e ao inferno por algumas vezes).
Por ter sido uma história tão emocionante que me faltam palavras para descrer em poucas frases, resolvi me dedicar mais para descreve-lá. Talvez seja bom eu falar sobre isso, vai me ajudar a superar, ou talvez só me fará sofrer mais, porém é um desabafo com todos os meus leitores e uma explicação do por quer o amor não vale a pena.
Continua...

sábado, 14 de novembro de 2009

Luar

 Doa a quem doer, como está deixa estar
 Apenas quero me banhar nesse abençoado luar
 Se contigo já não estar, não quero mais chorar
 Não há espaço pra discórdias
 Vou ecoando meu cantar
 Cantar tão humilde de expressão tão serena, pois daqui de baixo a lua parece tão pequena
 Tão cheia de beleza, tristeza ou saudade, assim como meu cantar, és bela com humildade
 E aqui estou eu, abaixo de ti a cantar
 Te fazendo, ó lua, majestade e me encantando com teu luar.

 Aline Valença (ui de novo xD)

Jovens do futuro - Qual é a moral?

 Muros cobertos de suave tristeza, menosprezando o futuro com tamanha leveza
 Desconhecendo os padrões da verdadeira certeza, é o futuro do país e seus jovens de alma presa
 Considerando o prazer de um simples momento
 Mas achando que exitam só pelo lamento
 E são só muitas almas realmente pobres de conhecimento
 O jovem pensa, ou não pensa, ou pensa besteira que não compensa.
Então arrisca! Veja! Consiga ou esqueça!
 Como você quer que essa criança cresça?!
 Se tiveres que doutrinar, doutrine. Se tiveres que ensinar, que ensine, só não deixe que a raça de acabe somente pelo que a reprime.
 Você é muito mais do que isso!
 Somos muito mais do que isso!
 Juntos venceremos, mas separados perderemos, é a dura realidade de quem se importa de verdade
 Se não estamos juntos, qual é a moral? Vivermos nos fudendo em um grande motel global?
 Por isso honra tua gana, chuta a porta de quem te engana e mostra como é ser alguém legal.
 Pois legal não é aquele que se rende, mas aquele que sabe fazer o começo do final.

 Aline Valença (Ui) haha!

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Em tom de desastre

Sinto que você achou,
longe de mim,
alguém que vai substituir aquele amor todo,
que um dia eu a você prometi.

Nunca foi normal,
nem algum dia entendi, tudo que sentia por você,
só sei que foi de todo coração.

De novo se deu,
amor proibido,
como um Romeu,
tudo a você prometi.

Não foi o suficiente,
a mim você esqueceu,
como demente,
me atirei na cama,
e tudo que fiz virou drama,
só para descobrir que você não me ama,

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Dor e amor



Devorou o amor como se fosse torta,
por tortura a própria vida,
colocou-se em moldura torta,

Murmurou seu nome,
suplicou “não me abandone”,
nem mesmo assim você o ouviu,

E tudo era do amor perfeito,
que mera ilusão,
encontrou-se um defeito,

Sim, não passava de quimera,
ora, ora, acredita no amor?
Não desista, entrega-te a ele,
ele ainda não foi embora,

Porém, novamente não se iluda,
o amor não acredita em ti,
não nasce flor na muda que já morreu,
nem tem cor, no cinza da tempestade que se deu,

Ficou amargurado, desdém do sentimento,
o retrato arremessado, não fez jus ao amor combinado,
Apenas o arco-íris se formou,
Mas nenhum tesouro se entrou,

A esperança foi a ultima que suplicou pelo  seu amor,
E só assim tudo se acabou,
o verdadeiro sentido, não foi omitido,
logo foi dito, que o amor, rima com dor,